Companhias aéreas que viajam aos EUA devem seguir regras de segurança mais rigorosas

460965869

O Departamento de Segurança Interna (Department of Homeland Security, DHS) dos E.U.A. passou a exigir medidas de segurança adicionais para todos os voos internacionais destinados aos Estados Unidos. Essas medidas podem incluir uma triagem mais profunda dos passageiros, com questionamentos a alguns ou todos, e maior rigor no exame de equipamentos eletrônicos com dimensões superiores a smartphones convencionais. Os passageiros devem estar preparados para remover esses equipamentos de suas bolsas, caixas de proteção ou embalagens externas para inspeção.

Aos passageiros de voos internacionais, a Administração para a Segurança dos Transportes (Transportation Security Administration, TSA) dos E.U.A. recomenda chegar ao aeroporto pelo menos três horas antes da partida do voo, de modo que haja tempo suficiente para as medidas de segurança adicionais.

Para obter mais informações, acesse o website do DHS.

 

Anúncios

Exigência da Vacina de Febre Amarela para viagens ao Exterior

Resultado de imagem para vacina de febre amarela

Em 2017 no Brasil, registrou-se diversos casos de Febre Amarela em alguns estados do país, sendo classificado como um surto da doença. Como forma de prevenção, alguns países passaram a exigir a apresentação da CIVP (Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia), com registro da vacinação contra a febre amarela em pelo menos 10 dias antes da viagem.

Os países que entraram para a lista de solicitantes são: Cuba, Nicarágua, Panamá e Venezuela. Para informações sobre a necessidade de apresentar a CIVP no país de destino, clique aqui.

A vacina de febre amarela tem validade permanente, desta forma, a pessoa que já realizou a vacinação basta apresentar o cartão nacional de vacinação em qualquer Centro de Orientação para Saúde do Viajante da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que ficam localizados em Aeroportos, Portos e Fronteiras e solicitar o CIVP ou também, poderá ser emitido em Unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) credenciadas, como postos de saúde e hospitais e nas clínicas particulares credenciadas para essa finalidade.

Para emissão da CIVP não existe custo e também, é importante ressaltar que a ANVISA não aplica a vacina, apenas realiza a emissão do documento internacional. Os documentos necessários para obtenção é a carteirinha nacional de vacinação e documentos pessoais (RG, passaporte, CNH, entre outros).

Caso necessite de informações sobre como solicitar a CIVP, clique aqui.

Para esclarecimentos adicionais e conhecimentos melhor do assunto, acesse aqui o portal da ANVISA.

Fonte: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/619-secretaria-svs/l1-svs/27300-febre-amarela-informacao-e-orientacao
http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/quais-paises-exigem-vacina-de-febre-amarela-/219201/pop_up?inheritRedirect=false

Alterações na Legislação Canadense deixam o Processo de Cidadania mais rápido

img_5851_2lowres

A partir de 11 de Outubro de 2017, residentes permanentes no Canadá poderão aplicar para o processo de cidadania, também conhecido como naturalização, mais facilmente. Isso se deve à implementação da Bill C-6.

A seguir estão descritas as mudanças realizadas na Lei da Cidadania Canadense:

REGULAÇÃO ANTERIOR NOVA REGULAÇÃO
Aplicantes deveriam estar fisicamente presentes no Canadá em quatro dos seis anos antes de aplicarem pela cidadania. Aplicantes deverão estar fisicamente presentes no Canadá em três dos cinco anos antes de aplicarem pela cidadania.
Aplicantes deveriam apresentar comprovação de imposto de renda, se solicitados através da Lei de Imposto de Renda, em quatro dos seis anos, coincidindo com o requerimento da presença física. Aplicantes deveriam apresentar comprovação de imposto de renda, se solicitados através da Lei de Imposto de Renda, em três dos cinco anos, coincidindo com o requerimento da presença física.
Aplicantes deveriam estar presentes fisicamente no Canadá por 183 dias consecutivos em quatro dos seis anos anteriores à sua aplicação. Esta provisão foi revogada. Os aplicantes não precisam mais cumprir este requisito.
O tempo que o aplicante esteve no Canadá antes de se tornar um residente permanente não contabilizava o requisito de presença física para a cidadania. Os aplicantes podem contar cada dia que estiveram fisicamente presentes no Canadá como residente temporário ou pessoa protegida antes de se tornar um residente permanente como meio dia para atender o requisito de presença física para a cidadania, até um crédito máximo de 365 dias.

O ministro federal da Imigração, Ahmed Hussen, que também é cidadão naturalizado do Canadá, disse: “Queremos que todos os residentes permanentes no Canadá se tornem cidadãos. Esse é o nosso desejo, porque valorizamos a cidadania canadense, entendemos que somos uma comunidade que continua a receber pessoas de todo o mundo. E entendemos a importância e o papel positivo que os imigrantes desempenham na nossa economia, na nossa sociedade e na nossa vida cultural”.

Os comentários do ministro destacam que, exceto em circunstâncias excepcionais em casos internacionais de adoção, a cidadania é um status que só pode ser obtido depois que um indivíduo se torna residente permanente no Canadá.

Fonte: https://www.cicnews.com/2017/10/new-regulations-now-in-effect-making-canadian-citizenship-easier-to-obtain-109665.html#gs.k30Zxdo